Governador de SP contraria polícia ao exaltar mãe PM que matou criminoso

Governador de São Paulo, Márcio França (PSB) entrega flores à cabo Katia Sastre na zona leste - Gilberto Marques/Divulgação
  •  
  • 30
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

O governador de São Paulo, Márcio França (PSB), fez uma cerimônia neste domingo (13) para enaltecer a mãe PM que matou um ladrão e adotou uma estratégia em ano eleitoral oposta à definida pela cúpula da própria polícia para reduzir os índices de letalidade da corporação.

França, que tentará um novo mandato ao governo rivalizando com João Doria (PSDB), ex-prefeito de SP, fez uma homenagem à cabo Katia da Silva Sastre, 42, que, no dia anterior, reagiu a um assalto na porta de uma escola em Suzano (Grande São Paulo), acertando tiros no peito e na perna do bandido, que morreu.

Mãe de duas filhas, ela estava no local com a mais velha, de sete anos, para participar de festa de Dia das Mães —havia outras crianças por perto.

O governador entregou flores à PM em evento no Comando de Policiamento de Área Metropolitana-4, na zona leste, para cumprimentá-la pela “destreza, técnica e coragem”.

“A gente não pode deixar de enaltecer toda a técnica que você usou nesse episódio, a maneira rápida que você agiu e, ao mesmo tempo, a coragem que você teve, porque poderia simplesmente se omitir naquela situação, pois estava de folga, à paisana”, afirmou França à policial.

A cabo, por sua vez, disse que agiu para “defender as mães, as crianças, a minha própria vida e a da minha filha”. “É gratificante por ter salvado vidas. A gente não sabe como seria o decorrer disso. É para isso que estamos nessa profissão, para defender as vidas, e foi o que eu fiz.”

O ato do governador foi criticado por especialistas em segurança pública pelo temor de que a homenagem possa passar mensagens equivocadas à tropa e à população —mesmo que a atitude da cabo tenha sido correta diante do risco no caso específico.

Uma preocupação é que seja um incentivo às pessoas reagirem a assaltos —na contramão da orientação da polícia.

Outra é que a morte de ladrões seja vista pela corporação como algo incentivado pelo governo, após a escalada nos últimos anos do número de mortos pela polícia —alta de 10% em 2017, com 943 casos, recorde desde 2001.

O coronel Marcelo Vieira Salles, novo comandante-geral da PM, havia manifestado preocupação nos últimos dias com a letalidade policial —apesar da queda no primeiro trimestre — e dado orientação a subcomandantes de que reduzi-la era prioridade.

Salles disse aos subordinados que a estratégia era a de evitar qualquer exaltação de mortes cometidas por PMs. A Folha apurou que ele fez críticas duras na última semana à política de premiação a policiais que matam criminosos e afirmou que a sua filosofia era totalmente oposta a isso.

Neste domingo, convocado para acompanhar a cerimônia, defendeu a reação da cabo ao assalto e disse não entender a homenagem como um endosso à morte de ladrões.

Questionado pela Folha se a exaltação à cabo não iria contra a política de desincentivo à letalidade policial, França disse que “a homenagem é feita porque é Dia das Mães”.

“Ela foi a uma festa para comemorar a data e aconteceu uma situação dessas. Ela agiu tão precisamente, tão perfeitamente, que a gente resolveu homenageá-la. Claro, o rapaz morreu, não é o ideal. A gente gostaria que as pessoas não morressem”, afirmou França.

Ele ressaltou em seguida que incentiva “as pessoas mais jovens que elas não se aventurem com arma na mão, porque estão sujeitas a morrer”.

Minutos após a cabo ser homenageada, um episódio semelhante de reação a assalto envolvendo policial de folga ocorria em uma drogaria em Guarujá, no litoral paulista.

O PM a paisana foi perseguido pelo ladrão até surpreendê-lo e atingi-lo com tiros. O assaltante morreu horas depois no hospital.

Na disputa eleitoral deste ano, França tem buscado se afastar do rótulo de candidato próximo da esquerda —conforme ele tem sido tachado por Doria, seu adversário.

Pesquisa Datafolha em abril mostrou que 13% dos brasileiros consideram a violência o principal problema do país, na terceira posição, empatada com desemprego.

“Existe uma tendência, até pelo quadro de competição eleitoral, à disputa pela retórica da política de segurança. É o que se vê, por exemplo, também no caso do [Jair] Bolsonaro [candidato à Presidência]”, afirma André Zanetic, pesquisador do Núcleo de Estudos da Violência da USP.

“Ele [França] incentiva a ação policial como algo válido ou legítimo e tem como razão a disputa eleitoral, não a segurança pública”, afirma.

Rafael Alcadipani, professor da FGV, considerou a homenagem feita pelo governador como “populista e irresponsável”. “Sabemos que a liderança afeta a tropa. Ao incentivar a ação, ele coloca os policiais em risco”, diz.

“Com a homenagem, incentiva que policiais reajam mais. Não se deve dar flores e medalhas em ação com mortes. A PM salva vidas todos os dias e não ganha medalha por isso. É um incentivo completamente errado.”

Alcadipani e outros especialistas ressalvam que a crítica não é para a reação da cabo. Apesar da presença de crianças e outras mães, ele avalia que a policial “não tinha muita opção, porque podia ter sido executada caso o rapaz descobrisse que ela é policial”.

A cabo explicou sua atitude após ser homenageada. “A minha preocupação, no momento, foi que a minha intervenção fosse de maneira mais próxima a ele [ladrão] para que não houvesse risco de machucar outras pessoas, porque havia crianças correndo.”

Em março, um casal da PM de Santa Catarina foi baleado em uma pizzaria de Natal, durante tentativa de assalto. Houve luta corporal com o bandido, e a policial morreu.

“Você não parabeniza alguém pela morte de outra pessoa, ainda mais no caso de uma tropa com muitos problemas de letalidade policial e que vem afirmando que tentará reduzi-la. Há um confronto de mensagens entre o governador e a PM”, afirma Samira Bueno, que é diretora-executiva do Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

“A recomendação da polícia é sempre para não reagir. Cerca de 70% dos policiais morrem fora de serviço em situações exatamente como essa. A policial deu sorte, já que em geral o que acontece é que o policial saia ferido ou morra.”

Para Zanetic, a homenagem feita pelo governador “remete à premiação por bravura que existiu no Rio, a chamada gratificação faroeste, criada no governo Marcello Alencar (PSDB) em 1995, dada ao policial que tivesse ações letais em maior volume”.

O assaltante já havia sido preso por roubo, roubo de veículo, receptação, organização criminosa e ocultação de cadáver, segundo o Fantástico, da TV Globo. A Secretaria da Segurança Pública não respondeu se a PM terá proteção.

 

 

Fonte: Guilherme Seto Rogério Pagnan Sílvia Haidar / Folha de S. Paulo

  •  
  • 30
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

LEAVE A REPLY

Specify Facebook App ID and Secret in Super Socializer > Social Login section in admin panel for Facebook Login to work

Specify GooglePlus Client ID and Secret in Super Socializer > Social Login section in admin panel for GooglePlus Login to work

Specify Instagram Client ID in Super Socializer > Social Login section in admin panel for Instagram Login to work